Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

Uma vida de cão (Henri Michaux)

Deito-me sempre muito cedo e exausto, e porém não avulta nenhum trabalho fatigante durante os meus dias.
É possível que não avulte nada.
Mas a mim o que me espanta é que me possa aguentar até à noite, e que não me veja obrigado a ir-me deitar a partir das quatro horas da tarde.
O que me fatiga de tal maneira são as minhas contínuas intervenções.
Já disse que na rua me bato com toda a gente; esbofeteio um qualquer, agarro nos seios das mulheres, e, servindo-me do pé como de um tentáculo, instauro o pânico nas viaturas do Metropolitano.
Os livros são o que mais me chateia. Não deixo uma única palavra no seu sentido nem sequer na sua forma.
Apanho-a e, depois de alguns esforços, extirpo-a e desvio-a definitivamente do rebanho do seu autor.
Num capítulo há logo milhares de frases e eu tenho de as sabotar a todas. É uma necessidade.
Às vezes, certas palavras permanecem como torres. Tenho de ocupar-me delas uma e outra vez, e, já bem avançado nas minhas devastações, de repente, no rodeio de uma ideia, revejo aquela torre. Afinal não a abatera o bastante, tenho de voltar atrás e descobrir-lhe o seu veneno, e perco nisto um tempo infinito.
E depois de lido o livro inteiro, tenho pena porque não percebi nada... claro. Não pude alimentar-me de nada. Continuo magro e seco.
Eu pensava, é bom de ver, que, quando tivesse destruído tudo, alcançaria o equilíbrio. É possível. Mas demora, demora muito.

Tradução de Margarida Vale de Gato

Sem comentários: