Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

les rois qui meurent tour à tour renaissent au cœur des poètes


Performance de longa duração do grupo de teatro Máscara Solta para a XII edição do Bairro dos Livros, dia 11 de maio, das 14h às 19h + 1min, na Praça Carlos Alberto (em frente ao Palacete dos Viscondes de Balsemão).

A performance | Leitura de morse: o corpo distribuído pelo próprio autor, deitado durante cinco horas consecutivas num espaço de fácil acesso. O público pode escolher assistir ao ritual de longe ou deitar-se individualmente junto do corpo. Depois de cinco horas de poesia, os presentes farão um minuto de silêncio pelo performer.

O texto | No contexto de um projeto coletivo intitulado Poesia 16, pelos cinquenta anos da Poesia 61, o autor leu integralmente a Bíblia Sagrada entre fevereiro de 2011 e fevereiro de 2012 e recombinou motivos e citações de forma não-aleatória em novos poemas. O resultado desse projeto constitui a obra (ainda inédita) que será lida durante a performance. Excertos do livro foram lidos durante o open mic da VIII edição do Bairro dos Livros e publicados no blog da editora Licorne (aqui e aqui) e no semanário Grande Porto (5 de abril, 2013). Esta é a primeira vez que o texto é trazido a público de forma integral.

O autor | Paulo Brás pertence ao Máscara Solta desde 2010/11, tendo assumido parte da produção de todos os espetáculos do grupo de 2011/12 até ao presente. Integrou o elenco de Sétimo céu (junho, 2011), de Caryl Churchill, fez uma leitura encenada do monólogo Valsa nº6 (dezembro, 2012), de Nelson Rodrigues, em colaboração com o Grupo de Estudos Lusófonos da FLUP, e participou na animação paralela às inaugurações simultâneas do Quarteirão Miguel Bombarda (abril, 2013), com organização da Culture Print. Enquanto investigador, o seu trabalho ensaístico tem versado sobre barroco, exílio, erotismo, morte e performance.

O grupo | O Máscara Solta resulta da iniciativa de alunos e antigos alunos da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. O ano letivo de 2012/13 é o seu 11º ano de existência, tendo atualmente como encenadores Ana Catarina Ramalho e Tiago Moura. Durante este ano letivo, o grupo já apresentou trans- (dezembro, 2012), uma retrospetiva do seu repertório dos últimos dez anos, assim como o espetáculo Presas (abril, 2013), a partir de textos originais dos próprios encenadores, em competição na XIV edição do FATAL (maio, 2013). Para o final do ano letivo, está ainda a ser preparada uma adaptação de TIMON, de William Shakespeare – o público da performance les rois... terá acesso exclusivo ao cartaz e restante informação deste último espetáculo.

A colaboração | Para além dos três espetáculos, o atual grupo tem conseguido diversas colaborações; esta é a quinta entre o Máscara Solta e a Culture Print e todas elas têm, de alguma forma, trabalhado o conceito de «performance de longa duração», pelo que esta criação vem no seguimento do trabalho desenvolvido. Na VII edição do Bairro dos Livros (novembro, 2012), a leitura encenada trans- (excerto) durava o tempo que a viagem de elétrico demorasse; na VIII edição (dezembro, 2012), LUZ AZUL foi pensada em conjunto com a iniciativa de recolha de livros para a criação de uma biblioteca no HGSA; na X edição (março, 2013), o MS criou Manifesto com «todas as palavras» para a homenagem a Manuel António Pina, que durou uma tarde; na performance pensada para as inaugurações simultâneas de abril, vários leitores passaram algumas horas de pé a ler O sentimento dum acidental, a partir de versos de Alberto Caeiro.

Sem comentários: