Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

Palermo Palermo (Pina Bausch)

Os questionários de Pina Bausch
[5/5]

as perguntas, os temas, os pontos de partida sugeridos
pela encenadora aos bailarinos durante os ensaios


13.4.89
quando não se pode pensar, em que se pensa?
vento bíblico
tarântula
usos pagãos
19.4
a terra vem do alto
cemitério dos elefantes
mangericão
20.4
eleito
louros
movimentos de ceifa
da Alemanha, mas não
qualquer coisa de agradável escorre pelo corpo abaixo
21.4
lua
terra, porcaria
obter o mais possível
24.4
desmoronamento
adoração da mulher
pequeno animal
frio requintado
desenhar uma árvore
gafanhoto
26.4
fome
magoar levemente
confortável
acariciar
aflorar (titilar)
27.4
proteger alguma coisa
28.4
asas
29.4
alegria barata
comer esparguete de quimono
2.5
lindo protesto
ramo
terra no quarto
castigar com elegância
limão
círculos
3.5
proceder com parcimónia
sinais de sorte
pobres braços
5.5
vencer a besta interior
esperanças
reagir mal a uma coisa sem importância
8.5
consolar um objeto
cobardia
pudor
uma coisa bela que não se pode utilizar
movimentos infinitos
9.5
estrelas
prontos para o compromisso
prometer alguma coisa
vestígios
15.5
sem respeito
fazer esforços
16.5
qualquer coisa que tomam a peito
o que viram?
mendigar altivamente
17.5
saboroso
campo de flores, fazer alguma coisa
touro
18.5
poder de encaixe
ambos sós
19.5
ser como víboras
animaizinhos amedrontados
enquanto esperam ajuda, o que fazem
pedras
21.5
algo de utópico
pombo
centro
encorajar
22.5
não fazer qualquer coisa, de boa vontade
algo de novo, algo de velho
23.5
matar com os pés
identikit
cornos
mãos que matam - ritmo a seis
24.5
mãos que matam + pés que matam
confirmar
27.5
reação a uma grande gentileza
28.5
como um rei
não ter medo de tocar
sentir-se superior por alguma razão
29.5
bicicleta com pombo
separar o trigo do joio
sinais
30.5
desejar com os olhos
Penélope
pequena recompensa
uma tarefa aligeirada
31.5
começar do princípio
autodestruição
qualquer coisa em decadência, não fazer nada
1.6
como cordeiros
angústia perante o amanhã
resistir às tentações
como transformar diabos em anjos


Leonetta Bentivoglio (1994), O teatro de Pina Bausch (tradução de Maria José Casal-Ribeiro), Lisboa, Acarte / Fundação Calouste Gulbenkian.



+ Pina Bausch
vídeos
http://revista-aberta.blogspot.pt/2011/03/nelken-cravos-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2011/03/cafe-muller-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2011/05/le-sacre-du-printemps-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2011/03/die-klage-der-kaiserin-o-lamento-da.html
questionários
http://revista-aberta.blogspot.pt/2012/12/walzer-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2012/12/nelken-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2013/01/auf-dem-gebirge-hat-man-ein-geschrei.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2013/01/viktor-pina-bausch.html
http://revista-aberta.blogspot.pt/2013/01/palermo-palermo-pina-bausch.html

Sem comentários: