Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

A sul de nenhum norte: 9

Vida sã

quando te foste eliminei a carne

tornei-me selectiva
desconfiada
metódica

não levo nada à boca
nada em estado cru

conservar a corrente de frio
é a chave

Laura Yasan


os teus olhos tornaram-se no meu cinzeiro

dias e noites te escrevi, a primeira frase era a Rússia não existe, Paris não existe.

mãos tornam-se mais e mais invisíveis, beijar-te é beijar uma parede em branco,
e não nos beijámos.

olho este corpo tão corpo, quantos o amaram (quem poderia amar
um corpo perdido), quantos invernos prematuros festejaram no seu ventre.

à margem desta folha se escreve a minha vida, e se assusta e tenta poesia,
tenta-se verso claro que fracassa e se torna corpo.

leio o testamento de Kafka como única carta de amor. já em Paris cairá
neve. na Rússia também, outra neve. virá a primavera pelo ventre.

os que me amaram tentarão voltar a mim pela força.

querido, os teus olhos tornaram-se no meu cinzeiro. Beijar-te é beijar a desvantagem
do tempo.

leio o testamento de Kafka, o único que me resta.

enquanto, regressam tranquilos os que me querem santa e nua.

Natalia Litvinova


revista número nove

Sem comentários: