Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

Inscriptions - Epitáfios (Alexander Search) *

IV

Not Cecrops kept my bees. My olives bore
Oil like the sun. My several herd lowed far.
The breathing traveller rested by my door.
The wet earth smells still; dead my nostrils are.

Cécrope não guardou minhas abelhas. Meu olival criou
Azeite como o sol. Meus rebanhos longe pastaram.
O cansado viandante à minha porta descansou.
Ainda cheira a terra húmida; minhas narinas se fecharam.


VI

Some were as loved loved, some as prizes prized.
A natural wife to the fed man my mate,
I was sufficient to whom I sufficed.
I moved, slept, bore and aged without a fate.

Uns foram amados como amados, outros como prémios premiados.
Esposa natural de meu companheiro saciado,
Fui bastante para aquele a quem bastei.
Andei, dormi, pari e sem destino acabei.


X

We, that both lie here, loved. This denies us.
My lost hand crumbles where her brests' lack is.
Love's known, each lover is anonymous.
We both felt fair. Kiss, for that was our kiss.

Nós dois, que aqui jazemos, nos amámos. Isto nos nega no sentido.
Minha mão perdida se desfez onde seus seios outrora.
O amor se conhece, mas cada amante é desconhecido.
Ambos belos nos sentíamos. Beijai, que nosso era esse beijo agora.


XII

Life lived us, not we life. We, as bees sip,
Looked, talked and had. Trees grow as we did last.
We loved the gods but as we see a ship.
Never aware of being aware, we passed.

A vida nos viveu, não nós a ela. Como abelhas a sugar
Olhámos, falámos e gozámos. As árvores crescem como nós durámos.
Amámos os deuses como um navio em nosso olhar.
Nunca cientes de cientes sermos, assim passámos.


Lisboa, 1920.


* Tradução de Luísa Freire

Sem comentários: