Fundada a 17 de agosto de 2007 por Carolina Marcello, Joana Coutinho e Paulo Brás, encerrou a sua atividade enquanto revista erótica a 17 de agosto de 2013, reabrindo a 12 de dezembro do mesmo ano como plataforma do projeto A MULHER É O FUTURO DO HOMEM.

Incendiário (Gastão Cruz)

Deste-me um quarto um outono
que te darei em silêncio
ilha de fogo verão em troca
dar-te-ei que incêndio
que sucesso que prazer que
força que solução que fome satisfaremos
que fogo para ti preparo
este verão
que outro lugar me darás
em silêncio este verão
que solidão preparamos que
lugar este verão
preparo um quarto em silêncio
e a chama da solidão


Utiliza-me as pernas entretanto
pode ser posição anestesia
febre ou peste ou tumulto ou festa ou cinza
temperamento anestesia tanto importa que

o verão me inutilize
me canse o fogo as pernas e avance
na areia a meu lado tanto cansa
o verão como tu tanto me cansa a cinza

tanto o quarto de fogo que me deste
tanto a esperança utiliza-me ainda
este verão apenas um incêndio

um beijo no verão inutiliza
o corpo pode ser
insucesso de fogo que utilizas


Depois do verão dar-me-ás talvez
o mesmo insucesso depois do verão quis
quero o tempo o outro local sossego sucesso depois
me dirás deitei-te no chão depois
do verão depois te direi que quero
deitar-te no chão a meu lado
quero incendiário depois do verão tua carne
estranha conservar doente depois
por enquanto enquanto ardo o corpo embora
arda tarde teu corpo fechado depois do
verão depois de a saudade ter fechado
tudo a carne a idade o amor o fogo
ainda te dou o fogo que tenho
pois enquanto arde embora de tarde a noite
se mostre quero destruir quero o teu local
deixar este outono dir-me-ás depois se viveste
pois depois do verão quem de cinza quem
me alimentará me trará o fogo que tu
me ensinaste quem te beijará quando a noite
nasce ficarei estarei depois
do verão dar-me-ás a cinza depois do
verão o que me darás
o que me darás quando o dia vem que beijo
de cinza de outono trarás
ainda que venhas através das pálpebras e me
desconheças à lua do mar
que cinza de outono porás nos meus lábios
e que fogo fixo verás sobre o mar

Sem comentários: